Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Barra de cereal potente!

Quem nunca optou por uma barrinha de cereal no dia-a-dia?

Para ter um lanche saudável e pouco calórico, para ingerir fibras, para enganar a vontade de comer doce, por praticidade.... Muitos são os motivos para degustá-la.

E o mercado só crece. A cada dia novos sabores são lançados, novos tamanhos, com mais propriedades. A última saiu de uma universidade:

Pesquisadores da Universidade de São Paulo desenvolveram uma barra de cereal que apresenta em sua composição as bactérias Lactobacillus acidophilus e Bifidobacterium, que tem efeito comprovado no bom funcionamento do intestino. Essas bactérias agem competindo com as bactérias maléficas ao organismo, diminuindo o risco de ocorrência de algumas patologias. Além disso, os microorganismos permitem que o organismo apresente uma melhor absorção de alguns nutrientes, como o cálcio, o magnésio e o ferro.


A novidade é que uma das camadas da barra de cereal é composta por sorvete, onde são adicionadas as bactérias.

A idéia foi boa, mas será que essa moda pega?


Por falar em barra de cereal, será que todas são mesmo uma opção saudável e nutritiva?
O Portal Nutrição em Foco tem uma matéria especial sobre o consumo e a escolha das barrinhas de cereais. Tire suas dúvidas!

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Pecados de final de semana

Acordei com uma vontade louca de comer doce!

Quando isso acontece, uma frutinha é a melhor solução. Doce, deliciosa e saudável. Ou então a segunda opção: gelatina. Bem colorida e, pelo menos, tem poucas calorias.. só não vale despejar leite condensado em cima.
Só que dessa vez, o que eu queria era um doce mesmoooo, de verdade! Nada de frutinhas. Já que é assim, tentei pensar na melhor opção...
Fui até a sessão Gastronomia do Portal Nutrição em Foco e procurei uma receita gostosa e que não fosse uma bomba. Olha o que eu encontrei:

Arroz doce diet. Uma delíciaaaa. É só clicar no link para pegar a receita e aproveitar!


Boa semana pra vocês.

beijos
;]

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Para o carnaval: água!

A água é o componente mais abundante do nosso corpo. Sua porcentagem em relação ao peso total varia de acordo com a fase do ciclo de vida em que o indivíduo se encontra, dependendo da proporção de músculos e gordura. No organismo, apresenta muitas funções metabólicas importantes e participa de praticamente todas as reações corporais. Ou seja, se não tiver água, nada funciona normalmente!


É aí que surge a desidratação. Basicamente, é a perda excessiva de água corporal e acontece quando a ingestão hídrica é menor que a perda de água. Pode ocorrer devido à vários motivos:

  • diarréia
  • vômitos
  • ingestão insuficiente de líquidos
  • urina em excesso (muito comum quando há o uso de diuréticos)
  • sudorese excessiva (principalmente em atividades físicas prolongadas e calor excessivo)
  • exposição prolongada à luz solar
  • febre
Muito se fala sobre a quantidade de água que deve ser ingerida diariamente, mas não se chegou a um consenso ainda. Uma quantidade aproximada seria de 35ml/kg de peso corporal. Entretando, não é facil se determinar essa quantidade, já que deve-se levar em conta as características metabólicas individuais, o tipo de atividade, a composição corporal, etc.

A desidratação é uma doença de fácil prevenção e tratamento, porém, apresenta sintomas graves e alta incidência. Ocorre mais facilmente e com mais severidade em crianças, já que a perdem água com mais facilidade. Os principais sintomas da doença são: dores de cabeça, fadiga, apetite diminuído, tontura, turgor cutâneo (elasticidade da pele) precário.

A sede é um bom parâmetro para o consumo de água. Quando sentimos sede é sinal de que já perdemos um pouco de água do nosso corpo, porém, uma pequena quantidade (cerca de 1% do peso corporal). Basta beber água é essa perda é reposta. Entretanto, a medida que a perda de água aumenta, as consequências se agravam. Quando a perda resulta em uma diminuição de 5% do peso corporal, o indivíduo sente uma extrema dificuldade de concentração. Quando essa perda chega a 10% do peso corporal, os sintomas são muito graves (insuficiência do volume sanguíneo - que está diminuído, insuficiência renal...) e quando atinge 20%, pode causar a morte.

Como prevenção, é importante ingerir líquidos (principalmente água) regularmente, usar roupas leves e frequentar ambientes arejados, higienizar alimentos (para evitar doenças gastrintestinais que facilitam a perda de água - p. ex: diarréia), etc. O tratamento varia com a gravidade da desidratação e pode ser apenas com reposição de água ou também com repoisção de eletrólitos, contidos em bebidas específicas ou no famoso soro caseiro (água + açúcar + sal).


Sendo a prevenção tão simples, vamos evitar a desidratação e beber muito líquidos. No Portal Nutrição em Foco você encontra muitas receitas de bebidas deliciosas e saudáveis.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Relação cálcio:fósforo

É praticamente senso comum que o cálcio é um nutriente muito importante para o bom funcionamento do organismo. É o mineral mais abundante no nosso corpo, sendo que a maior parte dele (99%) está localizado nos ossos e dentes e o restante encontra-se no sangue e nos tecidos.

O cálcio desempenha várias funções no organismo: contração muscular, transporte de nutrientes, transmissão nervosa, etc. Entretanto, a mais importante delas (porque utiliza a maior parte do mineral) é a manutenção da massa óssea. Os ossos do esqueleto tem seu maior nível de crescimento e calcificação nos primeiros anos de vida, porém, esse processo continua ocorrendo até o chamado "pico ósseo" - o valor máximo de massa óssea atigido pelo organismo, já que a calcificação está completa. Este pico ocorre na idade adulta, mas não há um consenso sobre a idade exata.

Desta forma, é muito importante o consumo de cálcio, inclusive na idade adulta. Sua deficiência pode causar diversos problemas: osteomalácia, osteoporose, hipertensão, cancer de cólon, entre outros.

Além disso, nem todo o cálcio consumido é absorvido. Pesquisas mostram que adultos absorvem, em média, 30% do cálcio ingerido, podendo variar de 10% a 60%. Esta absorção pode ser influenciada por alguns fatores, como a forma de ingestão do cálcio ou a combinação de nutrientes. O oxalato (presente no espinafre e na acelga) se une com o cálcio e forma o oxalato de cálcio, que não é absorvido. A mesma coisa ocorre com o fitato ( encontrado em casca de castanhas, sementes e grãos).

Outro fator de influência é a presença de fósforo. Este é o segundo mineral mais abundante no organismo e também está presente em ossos e dentes, porém, sua maior importância ocorre nas funções que desempenha nas células (formação de DNA, ATP, cAMP, etc.).

A relação do cálcio com o fósforo se dá a nivel intestinal, quando a absorção de cálcio é mais eficiente se a quantidade de fósforo for a metade da quantidade de cálcio. Ou seja, a relação cálcio:fósforo ótima é iagual a 2:1.

Sendo assim, vamos procurar manter uma alimentação saudável, tentando variar as fontes de ingestão de cálcio (leite e derivados, soja, folhas verde escuras) e de fósforo (carnes, aves, peixes, ovos) e garantir as quantidades necessárias ao organismo.

Falando nisso, que tal receitas diferentes, gostosas e saudáveis? Clique aqui.